Archive by Author | Chara Rial

Pisando em estrelas de Hollywood

Charlotte Olympia está abrindo uma pop-up store em Tóquio, que funcionará na loja de departamentos Isetan (Shinjuku) somente entre 12 de junho e 12 de julho. Apenas dois modelos estarão à venda e já são um sucesso. A coleção “Hollywoodland” é uma homenagem à era de ouro da meca do cinema americano _ o que combina bastante com o design ultrafeminino da marca britânica. Os pares já seriam um charme de qualquer maneira, mas o melhor está no salto. No modelo vermelho, estão estampadas as figuras de Marilyn Monroe e Tom Ewell. No dourado, a dupla Lauren Bacall e Humphrey Bogart.  Preço? Em torno de US$ 1.890.

439_3146-alt-charlotte 439_3146-alt-charlotte1 439_3146-alt-charlotte2 439_3146-alt-charlotte3

 

 

 

Fonte: http://ela.oglobo.globo.com

História da moda, os sapatos mais importantes dos últimos tempos

60513-do-tornozelo-para-baixo-394x520

Não é de hoje que as mulheres do mundo todo são loucas por sapatos. Se existe um item na moda que tem o poder de provocar paixões avassaladoras, esse item é, sem dúvida, um belo par de sapatos. No livro Do tornozelo para baixo — a história dos sapatos e como eles definem as mulheres, o autor, Rachelle Bergstein, lista os modelos mais importantes da história da moda.

Selecionamos alguns para vocês. Vamos lá?

Salvatore Ferragamo e alguns modelos de Anabela

Salvatore Ferragamo e alguns modelos de Anabela

O modelo Anabela foi criado no período de escassez de couro, borracha e aço no mercado pré-Segunda Guerra, o modelo de Salvatore Ferragamo era feito de cortiça. Em tempos de incerteza, mulheres do mundo inteiro se apaixonaram pelo conforto do salto criado pelo sapateiro italiano.

judy1jpg

Os sapatos de rubi de Dorothy, personagem de Judy Garland no filme “O Mágico de Oz” (1939), ganham lugar de destaque no século XX. Na história original, o par era prateado, mas o roteirista do filme, L. Frank Baum, consciente de que o longa seria feito em technicolor, decidiu pelo rubi, que ficaria melhor nas telas de cinema.

sd10-sapato-scarpin-boneca-meia-pata-salto-agulha_MLB-O-3813226579_022013

Inventado na Europa no pós-guerra, o salto agulha significava sex appeal e status. Usar um par de sapatos nada prático sugeria que a mulher tinha espaço em sua vida para caprichos, escreve Rachelle Bergstein. Um dos sapateiros mais notório do modelo foi o francês Roger Vivier.

Marilyn-Monroe

As sandálias de salto fino e tira no calcanhar, usada por Marilyn Monroe na famosa cena do metrô de “O pecado mora ao lado” (1955) foram uma das cerca de 40 criadas por Ferragamo para a diva. Ela ajudou muito na popularização dos saltos altos.

Wait-Until-Dark-audrey-hepburn-4320095-357-500

Audrey Hepburn foi a deusa dos sapatos de salto baixinhos e sapatilhas. Modelos assim eram destinados a pessoas peculiares, intelectuais e livres, segundo Rachelle, autora do livro.

keds-champion-too-cute-w-schuhe-black-1130

Seguindo a deixa de Audrey Hepburn, temos o Keds. Apesar de existir desde 1916, popularizou-se na década de 1960 nos pés de mulheres como Audrey e Jackie Kennedy. Com o Converse All Star, da turma beatnik, o tênis consolidou-se como uma das peças mais usadas.

cats3

Manolo Blahnik, se consagrou como o deus da alta moda nos anos 1990, entre outros motivos, por conta do seriado Sex and the city (Carrie Bradshaw, personagem de Sarah Jessica Parker, era apaixonada pelos modelos do designer) e fãs como Madonna, Anna Wintour e Naomi Campbell.

Louboutin

Na opinião de Rachelle, nenhum estilista beneficiou-se mais da ascensão da cultura das celebridades do que Christian Louboutin. Com suas solas vermelhas copiadas por diversas marcas (e ele persegue de forma implacável na justiça quem ousa reproduzi-las), o francês conquistou Lady Gaga, Angelina Jolie, Jennifer Lopez e diversos outros símbolos de estilo.

Gostou? O livro aponta muitos outros ícones na história dos sapatos, uma leitura muito interessante.

Até a próxima.

As joias de Ana Khouri

Ana Khouri é uma uma das designers de joias brasileiras de maior destaque atualmente. Suas peças foram elogios em publicações da The New York Times, Style e Vogue Brasil. Seu estilo já caiu no gosto de celebridades internacionais como Madonna e Jennifer Lopez.

ana-bio

Ainda na faculdade de Artes Plásticas, na FAAP, Ana começou a criar suas primeiras peças. Suas joias eram encontradas nas melhores multimarcas de São Paulo, como NKStore e Daslu, já no início da carreira. Em busca de conhecimento, ela mudou-se para Nova Iorque, cursou GIA, Parsons, FIT e trabalhou com o estilista Richard Chai. Em 2007 voltou ao Brasil e criou sua marca homônima.

8774523270_0acf4940a9_z

ana khouri

 

Captura-de-Tela-2013-04-02-às-17.25.55

Ana não cria coleções. Suas joias são exclusivas, feitas em pequenas edições ou peças únicas. Quando cria suas joias, ela deixa para trás o design convencional, mantendo-se fiel aos milenares conceitos da alta ourivesaria, afirma a designer.

cats

ana-khouri-look5-162

As peças da marca são vendidas no Brasil, nos Estados Unidos e na Europa. Ana vive em Nova Iorque e não é raro ver suas joias nos looks das celebridades.

Screen-Shot-2013-01-24-at-9.40.14-PM

Madonna usando um acessório de mão cravejado de brilhantes.

Isabeli Fontana

Isabeli Fontana

tiaras

As tiaras são marca registrada no trabalho de Ana

75

Isabella Fiorentino

Quarta Especial – Nectarine

A quarta é mais que especial com a sapatilha Nactarine!

DSC_0208ps

A Nectarine tem duas camadas de couro que se encontram formando um designer cheio de estilo. Dois laços charmosos. Enfeites de metal dourado perfeitamente harmonizados com a cor da peça. Solado flexível e antiderrapante para dar mais conforto. E a cor coral, contagiante, alegre e quente para dar um up em qualquer look.

DSC_0201

A cor é tendência na temporada e mistura o romantismo e ousadia para fazer as mulheres explodirem em vivacidade.

Só na Chara Rial! :)

Veja mais aqui: http://loja.chararial.com/product/572735/nectarine

Salvatore Ferragamo: o sapateiro das estrelas

Captura de tela 2013-05-27 às 10.23.24

Desde criança, o italiano Salvatore Ferragamo já sabia qual era sua vocação: fazer sapatos. Aos onze anos foi aprendiz de sapateiro e aos 13 abriu uma sapataria em sua cidade natal, onde não se limitou a fazer reparos e confeccionar botas de fazendeiros, mas também desenhar modelos exclusivos e literalmente criar moda para os pés femininos. Aos 14 anos, o designer já contava com clientes nas cidades vizinhas e seis assistentes na loja. Foi quando, mais uma vez, sentiu que podia ampliar os horizontes e partir em busca de novos desafios. Dessa vez, embarcou rumo aos Estados Unidos para juntar-se aos irmãos mais velhos.

1

Decepcionado com a qualidade e o acabamento dos sapatos produzidos em série nas grandes fábricas de Boston, onde um de seus irmãos trabalhava, Salvatore foi ao encontro dos outros parentes em Santa Bárbara, na Califórnia, próximo aos grandes estúdios de cinema. A partir daí, abriu uma pequena loja para confecção e reparos de sapatos, passou a produzir modelos para figurino de cinema e, de quebra, começou a receber encomendas de calçados sob medida das maiores estrelas de cinema da época, como Ava Gardner, Marilyn Monroe e Greta Garbo.

Audrey H.jpg

Salvatore e Audrey Hepburn

Enquanto isso, em sua constante busca por “sapatos que se ajustassem perfeitamente” ele estudou anatomia humana, engenharia química e matemática na Universidade de Los Angeles. Salvatore foi obrigado a se mudar para Hollywood por causa de sua clientela e lá abriu sua famosa Hollywood Boot Shop em 1923. Os personagens mais célebres do cinema foram seus clientes, e a Salvatore foram dados os apelidos de “sapateiro das estrelas” e “sapateiro dos sonhos”. Seu sucesso foi tamanho que a loja não conseguia acompanhar a demanda de pedidos e a mão-de-obra americana não podia confeccionar os sapatos com a qualidade que ele queria.

3

O designer e as formas dos pés de cada um de seus clientes

Assim, em 1927, ele decidiu voltar para a Itália, estabelecendo-se em Florença, cidade tradicionalmente riquíssima em artesanato. No ano seguinte estabeleceu uma primeira fábrica de sapatos totalmente confeccionados à mão, com uma equipe de 60 artesãos treinados diretamente pelo mestre, e uma loja no Palácio Spini Feroni (onde hoje abriga o Museu Salvatore Ferragamo). Lá, o sonho de um homem se transformou em uma empresa que passou a produzir mais de 350 pares de sapatos por dia. A fama de seus calçados, apreciados pela beleza e comodidade dos modelos e por sua refinada elaboração, se estendeu por toda Itália e pela Europa, fazendo do Palácio Spini Feroni, ponto de parada internacional dos atores de cinema.

4

Apesar das sandálias de ouro, das plataformas multicoloridas, das sandálias romanas com tiras que se amarravam e dos sapatos com salto-agulha de metal, esses últimos imortalizados por Marilyn Monroe, o primeiro grande sucesso de Ferragamo foi a sandália invisível, de 1947, feita, em parte, com fios de náilon. A criação lhe rendeu naquele ano o prêmio Neiman Marcus (importante premiação de moda norte-americana que, até então, nunca havia sido concedida a um designer de sapatos). Outro destaque de sua carreira foi a sandália Calipso, produzida com tiras de cetim pretas, em 1955. Nessa época a marca Salvatore Ferragamo era um verdadeiro sucesso.

5

A Invisible Sandal

Salvatore Ferragamo foi o primeiro artista a produzir sapatos feitos à mão em grande escala. E a manufatura de sua oficina, instalada em Florença desde 1927, continua impecável: até hoje o couro é cortado à mão e cada peça passa cinco dias sendo moldada. Atualmente a fábrica produz mais de 11 mil pares de sapatos por dia. É quase impossível não achar um de seus modelos que fique perfeito nos pés. Audrey Hepburn e Carmem Miranda eram clientes fiéis. Marlene Dietrich nunca repetia um modelo mais de duas vezes. Greta Garbo chegou a encomendar 70 pares de uma vez. Andy Warhol e a eterna Princesa Diana também eram clientes assíduos da marca.

1954_Marilyn_Monroe_Presse

Marilyn Monroe usa sandálias Salvatore Ferragamo em uma de suas fotos mais célebres

Até 1957, o gênio italiano havia criado mais de 20 mil modelos e registrado 350 patentes. O estilista morreu no dia 7 de agosto de 1960, mas sua família continua à frente do ateliê, no Palazzo Spini Feroni, um prédio de características medievais que até hoje é mantido como sede da empresa, erguido em 1289 na Via Tornabuoni. Seus seis filhos e sua mulher Wanda herdaram o gosto pela perfeição e mantêm viva a história do pai dando continuidade ao trabalho artesanal, reeditando clássicos e lançando a partir dos anos 90 coleções de lenços, cosméticos, perfumes, óculos, prêt-à-porter e acessórios para homens e mulheres, um velho sonho do mestre Salvatore. Além disso, esta época foi marcada pelo início de uma forte expansão da marca no continente asiático, com inaugurações de lojas em Hong Kong e Xangai.

6

Salvatore e sua esposa Wanda

Curiosidade: o designer foi o primeiro da história a registrar uma patente no mundo da moda, inclusive a do salto Anabela.

7

Inovadores, os sapatos criados por Ferragamo são estudados até hoje nas escolas de arquitetura como exemplos de design. Veja abaixo alguns modelos históricos:

a

Veja mais modelos da marca:

b

c

d

Veja mais no site oficial da marca!

Fonte

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.435 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: